16/02/2017

Flatulência

Por Dr. Fernando Costa CRM/AL 5341

A liberação de flato, vulgo “pum”, ocorre habitualmente de 14 a 23 vezes por dia (volume total de 500-1500mL/dia) e é composto principalmente por nitrogênio, gás carbônico, hidrogênio e metano1. Seu cheiro pode não ser desagradável, mas se sabe que compostos sulfúricos oriundos da degradação de certos tipos de alimentos durante a digestão (principalmente, cebola, ovos e couve-flor) produzem aquele cheiro um tanto quanto peculiar2.
 
A origem do gás intestinal vem da ingestão do ar ao comer, beber, fumar, ou da produção intestinal. A maior parte do ar ingerido é expulsa como eructação, ou arroto. Já a digestão de alguns alimentos (feijões, brócolis, frutas, trigo, milho, batata e macarrão, entre outros) liberarão gás. Além disso, algumas doenças como intolerância ao glúten e a lactose podem aumentar a produção de gás3.
 
A distensão e dor abdominal são causadas pelo aprisionamento temporário do gás produzido, com distensão das paredes abdominal causando dor4.
 
A investigação e o tratamento ambulatorial deve ser feito com o gastroenterologista se tiver estes sinais de alarme: diarreia por mais de 5 dias, perda de peso sem motivo aparente, sangue nas fezes, perda do apetite, febre de origem não explicada, vômitos persistentes por mais de 48h ou se ainda a flatulência interferir na sua qualidade de vida4.
 
Enquanto aguarda a consulta especializada, você pode comer mais devagar (cada refeição deve durar entre 20-30min), evitar alguns alimentos que produzem mais gás e líquidos gaseificados5.
 
Referências:
1) Lasser RB, Bond JH, Levitt MD. The role of intestinal gas in functional abdominal pain. N Engl J Med 1975; 293:524.
2) Suarez FL, Springfield J, Levitt MD. Identification of gases responsible for the odour of human flatus and evaluation of a device purported to reduce this odour. Gut 1998; 43:100.
3) Gibson PR, Newnham E, Barrett JS, et al. Review article: fructose malabsorption and the bigger picture. Aliment Pharmacol Ther 2007; 25:349.
4) Mearin F, Lacy BE, Chang L, et al. Bowel Disorders. Gastroenterology 2016.
5) Halmos EP, Power VA, Shepherd SJ, et al. A diet low in FODMAPs reduces symptoms of irritable bowel syndrome. Gastroenterology 2014; 146:67.
 
Mais Artigos Médicos